Reflexões

Postura de Deprimido

Em uma das ilustrações que estão no livro Poder Sem Limites do magnífico Tony Robbins, está o quadrinho do personagem Charlie Brown, do desenho Snoopy, onde ele comenta como gosta de ficar quando está deprimido.

Ela fala o seguinte:

“Charlie Brown: – Esta é a minha postura de deprimido.

Quando você está deprimido, o jeito que você fica faz muita diferença…

A pior coisa que você pode fazer é ficar ereto e levantar a cabeça, porque ai você começa a melhorar.

Então, se você acha legal ficar deprimido, tem que ficar assim…”

O personagem é uma figura e não fala mais do que a realidade. Você já parou para prestar atenção em si mesmo e ver como se comporta, qual é a sua postura quando está pra baixo?!

É óbvio que todos nós quando estamos tristes, nos sentindo desmotivados, temos uma postura mais caída, como o próprio Charlie mostra no desenho, cabeça abaixada, ombros caídos e por aí vai. É óbvio também que ninguém nesse mundo é obrigado a estar 100% feliz, animado e motivado a vida toda, fala sério né?! Se esse alguém existe, análise direito, não deve ser um humano.

Falta de vontade para encarar a vida

Conheço muitas pessoas, inclusive eu já estive assim, que por se deixarem levar por seus problemas acabam ficando sem vontade alguma de viver, levam os dias como desgraças e empurram tudo com a barriga. Nada tira essa pessoa da situação em que ela está e por mais que no fundo, no fundo, tudo que ela queira é sair dessa situação, nada nesse mundo a permite sair disso.

Pode ser depressão e é importante que seja diagnosticada (por isso se estiver assim procure um profissional), pode ser também tantas outras coisas que se não forem bem cuidadas, acabam resultando em depressão ou outras síndromes.

Algumas pessoas tendem a valorizar suas situações mais incômodas, que depois de tanto tempo vivendo com um problema sem aparente solução, passam a deixar com que aquilo faça parte de suas vidas e simplesmente ignoram que possa ter um outro caminho. E olha, na maioria das vezes tem.

O que acontece é que a pessoa está tão profundo em sua própria dor, que sair dela já não faz sentido e o esforço de tentar e o medo de não dar certo, falam mais alto que toda vontade que essa pessoa tem de mudar possa falar. E a pessoa fica como o Charlie no desenho, sabe o que fazer para melhorar, para sair daquela situação, mas prefere continuar como está.

Mas o outro caminho, a outra opção existe e é possível ter acesso a ela, para isso é preciso levantar a cabeça, mudar a postura, respirar fundo e tentar mais uma vez. Independente se vai dar certo ou não.

Tony Robbins diz nesse mesmo capítulo em que apresenta o quadrinho do Charlie Brown que  “Quando as pessoas vêm a mim e dizem que não podem fazer alguma coisa, eu digo: Aja como se pudesse!”.

As vezes é só isso que você precisa fazer para sair de qualquer situação! Agir como se pudesse, como se ela não existisse, deixar no passado, olhar para o futuro… E por ai vai.

Mas é fácil “agir como se pudesse”?

Talvez nas primeiras horas e dias não faça muito sentido. Talvez você olhe para aquele lado e veja que tudo que está tentando fazer é fingir que nada aconteceu e que tudo está perfeito. Mas qual é o problema de tentar? Você vai ficar pior do que já está? Acho que não.

O fato é que quando passamos a viver algo que  acreditamos conseguir, nosso inconsciente passa a trabalhar nisso.

Você já teve aquele sonho tão real que acordou suspirando, chorando, rindo, gritando ou suando?! Essa experiência foi um sonho, mas seu inconsciente não sabia disso e te fez ter reações como se tudo fosse o mais real possível.

O mesmo acontece quando acreditamos em algo. Ter fé, crer que vai dar certo, se imaginar em determinada situação, agir como se pudesse. Tudo isso com o tempo irá causar mudanças no seu interior e isso irá refletir no seu exterior, onde você poderá encontrar saídas para aquilo que um dia acreditou que não existiam.

Exercício de reflexão

Se você se encontra numa situação parecida, daquelas que se enquadram perfeitamente no quadrinho do Charlie, você tem preferido se culpar, se estapear, se vitimizar, porque tem sido mais fácil do que encarar outra realidade e lutar por ela (olha que não é para se fazer de vítima agora dizendo que eu não sei o que você passa na sua vida. Realmente eu não sei, mas acredito que para tudo tem uma solução e além disso, na maioria das vezes não damos uma chance para o presente e o futuro se fazerem valer nas nossas vidas e ficamos vivendo do passado como se fossemos múmias dentro de nossas tumbas – e ficamos assim porque não assumimos que estamos estendendo algo que já poderia ter acabado, que estamos valorizando um sofrimento com tantas coisas boas ao nosso lado para ressaltar e agradecer), então vamos fazer um acordo!

Você irá nos próximos dias, “agir como se pudesse”, irá levantar a cabeça, os ombros, olhar para frente e fingir que tudo ficou no passado.

Não vou pedir para você esquecer, nem vou pedir para meditar sobre o assunto em busca de um aprendizado. Acredito que este não é o momento. Depois que você já estiver agindo “como se pudesse” com mais frequência, aí sim, você deve parar e meditar sobre o que aconteceu e tentar entender o aprendizado por trás de tudo. Mas por enquanto, vamos nos permitir agir somente “como se pudéssemos”.

Mas olha, não vale se deixar cair novamente, pelo menos não por essa semana. Se sentir que está se deixando levar para o fundo novamente, pegue um caderno, uma caneta ou lápis e escreva todos os motivos reais que tem para agradecer. Você tem uma cama quentinha para descansar? Tem pessoas que o amam? Tem o que comer e beber? Tem um emprego? Tem roupas para vestir? Tem com quem conversar, rir, chorar? … Quais são os motivos pelos quais você pode agradecer hoje?

Pense um pouquinho, respire e agradeça por tudo que vier a sua mente, independente do quão pequeno possa parecer, pois existem pessoas que fariam de tudo para poder agradecer por isso, então agradeça.

Ao final de uma semana, tenho certeza que você já não sentirá mais falta daquele problema, e verás que tem muito mais para agradecer do que para reclamar.

Continue agindo “como se pudesse” até poder de fato, pois acredite, um dia você poderá! ♥

Andréia Verrone

28 anos, empresária, gosta de dedicar suas horas vagas para compartilhar inspirações, dicas e livros de auto ajuda. Deseja motivar cada leitor a ir mais longe em sua caminhada e chegar mais próximo de seus sonhos.

“O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas amar tudo que você tem!” – George Carlin