Reflexões

O poder da palavra e a importância de utilizá-la da melhor forma

o poder do silêncio

Queria falar contigo sobre o poder que nossas palavras têm, tanto para fazer o bem quando o mal na vida de outra pessoa ou mesmo na nossa.

Se você me acompanha no Instagram (se não está por lá ainda te convido a clicar aqui), viu que estamos fazendo uma leitura compartilhada do livro “12 semanas para mudar uma vida” do Augusto Cury. Nesse momento estamos lendo e fazendo os exercícios da primeira semana e durante a leitura me deparei com um fato muito interessante e que me deixou ainda mais apaixonada por Jesus. Vale ressaltar que no livro não se fala sobre religião, apenas sobre o homem que foi Jesus e seus ensinamentos.

Vou citar abaixo a parte da qual me refiro:

“Havia um grupo de líderes, os fariseus, que odiavam Jesus, tinham aversão pelo seu comportamento afetivo e tolerância. Como Jesus era socialmente admirado, eles precisavam ter um forte álibi para condená-lo sem causar uma revolta social.

Depois de muito maquinar, prepararam uma armadilha psíquica quase insolúvel. Certa vez, uma mulher foi pega em flagrante adultério. Os fariseus arrastaram-na para um lugar aberto, para o local onde Jesus ensinava uma grande multidão.

Interromperam abruptamente a sua aula. Colocaram a mulher toda esfolada no centro da sua classe ao ar livre, sob os olhares espantados dos presentes, eles proclamaram de modo altissonante que ela fora pega em adultério e, segundo a lei, teria de morrer. Sutilmente, olharam para Jesus e fizeram-lhe uma pergunta fatal: “Qual seria o seu veredicto?”.

(…) fizeram essa pergunta para incitar a multidão contra ele e para que, assim, ele fosse apedrejado junto com ela. Sabiam que ele discursava sobre a compaixão e o perdão como nenhum poeta jamais discursara. Se ele se colocasse ao lado dela, teriam como justificar a sua morte. Se condenasse a mulher, iria contra si mesmo, contra a fonte de todo amor sobre a qual discursava.

(…) A qualquer momento, as pedras seriam atiradas, as cenas de terror se iniciariam. Foi nesse clima irracional que Jesus foi cobrado para dar uma resposta. Todos estavam impacientes, agitados, esperando suas palavras. Mas a resposta não veio… Ele usou a ferramenta do silêncio. Ele nos deu uma grande lição: revelou que num clima em que ninguém pensa, a melhor resposta é não dar respostas. E procurar a sabedoria do silêncio.

(…) Jesus teve uma atitude inesperada naquele clima aterrorizante: começou a escrever na areia. Era de se esperar tudo, menos esse comportamento. (…) Seus gestos desarmaram seus inimigos. O foco de tensão foi pouco a pouco dissipado. (…) Desse modo, Jesus preparou o terreno da inteligência deles para um golpe fatal. (…) Golpeou-os com uma lucidez impressionante. Disse-lhes: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire a pedra!”. (…) Com isso, Jesus fez com que todos pensassem antes de reagir, avaliando a história deles para depois julgá-la.”

Depois de um trecho fascinante como esse, falando sobre uma atitude pensada e repensada por Jesus, lhe faço eu uma pergunta…

Quantas vezes você disse algo de ruim, sem se quer pensar por um segundo antes de dizer?!

Lendo esse trecho relembrei de todas as vezes que falei algo “podre” (porque sim, em momentos de raiva, fúria, nervosismo, mesmo sabendo que estamos sendo atacados e que não temos culpa, ainda sim, dizemos coisas horríveis), quantas coisas horríveis já disse para pessoas que amo. Parece até que é mais fácil falar coisas assim para pessoas que amamos, parece que a intimidade favorece.

Porque independente de pedirmos desculpas após pensar melhor (o que deveríamos ter feito antes de falar qualquer coisa), as palavras foram ditas e muitas vezes causam buracos na alma de que as ouve.

Não sei se já aconteceu contigo, mas quero fazer um teste. Eu sou do tempo das antigas apesar de ter meus 29 anos, e na minha infância pais e mães podiam dar chineladas nos filhos rsrs (não reclamo). E posso te dizer uma coisa olhando para trás. Nenhuma chinelada fez parte da minha memória até hoje como fizeram as palavras.

As palavras ruins, impensadas que foram ditas para mim, por qualquer pessoa, são muito mais fáceis de lembrar do que as chineladas que tomei.

pensar antes de falarTudo bem que esse meu caso pode ser um caso à parte, talvez (e com certeza) para outros pode ter sido de outro jeito, mas acredito que assim como eu, muitos devem sentir a mesma coisa.

Pense um pouquinho… Você se lembra mais das palavras ou das chineladas?rsrs Quero deixar claro que não estou defendendo nenhuma das duas formas, apenas refletindo. E que nem por isso, você deve sair dando chineladas por aí só porque dói menos que as palavras.

O fato é que as palavras possuem um grande poder, e você decide o que fazer com elas, como aplicá-las.

A partir desse trecho da qual compartilhei com você acima, parei para pensar sobre todas as vezes que não pensei antes de falar algo, não importando se era bom ou ruim. Porque muitas vezes nós achamos que elas devem ser ditas pois nosso ego pede, mas esquecemos de pensar como seria ouvir essas palavras.

Será que o que falamos por aí afeta alguém? Será que se elas fossem ditas para mim eu me sentiria bem em ouvir?!

Com essa reflexão quero apenas lhe fazer pensar sobre isso. Hoje na “era digital” temos a falsa impressão que estando na internet tudo pode ser dito, que estar “escondido” por trás de uma tela de computador ou celular nos permite falar o que bem entendemos, mas isso não é verdade.

Será que conscientemente, queremos ser o fruto da desgraça alheia? Será mesmo que precisamos dizer aquilo só porque temos um ego que nos pede para se sentir vencedor numa batalha que não se vence?!

Pense um pouquinho…. Você dormiria bem a noite ao saber que uma palavra sua pode ter causado o mal de alguém?

Que fulano ou ciclano não passou do dia de hoje por conta de um comentário que você fez sem ter pensado antes?! Na minha cabeça acredito que não.

Então peço a você, sente-se, pense se realmente aquilo deve ser dito. Porque como já ouvi por aí (me falha a memória a autoria dessa frase): “Se o que for dizer não for mais bonito que o silêncio, fique calado!”.

Se for para falar algo alguém, pense, repense e espalhe boas sementes, porque no final elas poderão voltar para você.

O mesmo serve para momentos de estresse, de medo, de fúria… não fale, use o silêncio como Jesus fez, de cabeça fria, mais tarde, aí sim você poderá sentar e resolver.

Combinado?! Espero que essas palavras tenham lhe tocado e lhe feito pensar como eu pensei, e que o nosso dia a dia seja para levar até os outros mais amor e menos dor.

Beijinhos e até a próxima! ♥

Andréia Verrone

28 anos, empresária, gosta de dedicar suas horas vagas para compartilhar inspirações, dicas e livros de auto ajuda. Deseja motivar cada leitor a ir mais longe em sua caminhada e chegar mais próximo de seus sonhos.

“O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas amar tudo que você tem!” – George Carlin